Vânia Mascarenhas, Maria Pereira, Rael da Marcenaria, Baiano do Hospital, Gesiel Ribeiro, Walter Diniz e Wilson Leite não deram as caras na votação. Presidente Junior Garra não poupou críticas. “Legislar não é uma brincar de esconde-esconde”

>

Aguardada ansiosamente há pelo menos dois meses, a votação para o segundo cargo mais importante da política em Canaã dos Carajás foi adiada. A escolha do novo presidente da Casa de Leis aconteceria nesta terça-feira (27), mas a ausência de sete vereadores impossibilitou que a votação transcorresse de maneira normal, conforme acordada anteriormente por todos os parlamentares.

Wilson Leite (PDT), Vânia Mascarenhas (PDT), Maria Pereira (PDT), Rael da Marcenaria (PHS), Baiano do Hospital (PHS), Gesiel Ribeiro (PHS) e Walter Diniz (MDB) não deram as caras na sessão. O que mais chama a atenção é que os faltosos mobilizam para fora da votação duas das três maiores bancadas do parlamento local e a presença de Walter Diniz no bloco acabou desmontando a terceira bancada, o MDB.

A ausência dos vereadores dá a impressão de que há um grupo organizado por trás do jogo eleitoreiro para o cargo. Tudo leva a crer que os sete faltosos organizam um movimento para buscar uma nova chapa. Entre os sete, Walter Diniz e Wilson Leite surgem como os grandes favoritos à disputa, mas agora tudo parece não fazer muito sentido: quem encabeçaria a chapa? Quais os reais planos do grupo faltoso?

A ausência dos parlamentares irritou Junior Garra, atual presidente do legislativo. “A sessão foi boicotada! Isso é uma vergonha para os vereadores faltarem num momento tão importante como esse. Agradeço aos que vieram, mas lamento profundamente pelos que não estavam aqui. Legislar não é uma brincadeira de esconde-esconde. Dá vontade de colocar um nariz de palhaço.”

A falta de quórum encerrou não só a votação, mas também a sessão ordinária do dia. Na ocasião, Junior Garra já determinou uma nova data para a eleição: 11 de dezembro. Resta saber se até lá todas as articulações já estarão concluídas e os grupos de votação definidos.

Vale destacar que essa é uma das eleições mais importantes da história do parlamento, tendo em vista a sucessão no executivo. Com a impossibilidade de Jeová Andrade se reeleger, o presidente da Câmara Municipal é, naturalmente, um dos candidatos mais fortes ao cargo de prefeito em 2020.

O grupo faltoso ainda não justificou, oficialmente, a ausência.

Publicidade