Do lado de fora, a PM mandou bala em servidores que protestavam contra reforma estadual da previdência. Do lado de dentro, Martinho Carmona, o mesmo que votou contra a CPI da Celpa, e Wanderlan Quaresma, ambos do MDB, assistiam, despreocupados, ao jogo do ‘Mengão’ no Mundial de Clubes

Enquanto o governo Helder Barbalho ‘esmaga’ o servidor público com um pacote de maldades, os deputados estaduais, eleitos pelo povo, parecem não estar muito preocupados com a situação. Na terça-feira (17), enquanto os servidores da educação protestavam contra reforma estadual da previdência, os deputados Martinho Carmona e Wanderlan Quaresma, do MDB, assistiam ao jogo do Flamengo pelo Mundial de Clubes.

Impedidos de entrar na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), os servidores públicos foram recebidos com balas de borracha e spray de pimenta pela Polícia Militar. Sem saber do que acontecia os dois deputados torciam pelo clube carioca durante a famigerada votação.

O funcionalismo público protesta contra uma proposta que reajusta de 11% pra 14% o tributo sobre servidores estaduais, o que representa, de acordo com a classe, um abuso contra os servidores.

E não é de hoje que o deputado Martinho Carmona legisla contra o povo. Da base do governo Helder, Carmona fez um discurso na Alepa afirmando que uma CPI contra a Celpa não era uma boa ideia, visto que a empresa contribuía bastante com o estado. À época, o parlamentar foi visto com maus olhos por todos. Agora, mais uma vez, o emedebista mostra que, para ele, os poderosos são mais importantes do que o próprio povo.

Resta saber onde essa história vai dar. Quem poderá defender os servidores?

Publicidade