A Polícia Civil cumpriu, nesta quarta-feira (03), dez mandados judiciais de prisão e busca e apreensão, durante a operação Carajás deflagrada em Marabá, sudeste paraense. Com os presos, dezenas de objetos de origem ilícita foram apreendidos, como celulares, computadores, uma arma de fogo com numeração raspada, três quilos de maconha, binóculos e até um drone. Os resultados da operação, iniciada às 5 horas da manhã, foram apresentados em coletiva de imprensa a jornalistas, na sede da Superintendência Regional da Polícia Civil do Sudeste do Pará, em Marabá. Estiveram na coletiva o diretor de Polícia do Interior, delegado José Humberto Melo; o titular da Superintendência, delegado Thiago Carneiro, e o diretor da Seccional de Marabá, delegado Vinicius Cardoso.


Entre os presos, estão Paulo Ramon Oliveira da Silva; Webert Leandro da Silva; Edson Gomes da Silva; Josivaldo Souza Silva; Robson Alves Medrado; Valmir Pinheiro e Lucas Carlos do Nascimento. Outros três estão sendo identificados criminalmente, pois não tinham documentos no momento da prisão. Ao todo, a operação foi deflagrada para dar cumprimento a 50 mandados judiciais, entre prisões e buscas e apreensões domiciliares. Participam da operação mais de 40 policiais civis da 10ª Região Integrada de Segurança Pública (RISP) e da Diretoria de Polícia do Interior (DPI). “Todos os mandados foram expedidos após intensa investigação, monitoramento e estudos, contra criminosos envolvidos em diversos tipos de delitos como tráfico de drogas, roubos, homicídios, entre outros crimes”, explica Thiago Carneiro.

Para o diretor da Seccional de Marabá, delegado Vinicius Cardoso, a operação, que se deu em todos os núcleos de Marabá, foi bastante exitosa. “Demos um duro golpe no tráfico aqui na região. Já tiramos 10 indivíduos da rua, o que vem reduzir a criminalidade urbana”, disse. Ainda de acordo com o delegado, a política de combate à criminalidade adotada tem como foco a redução dos números de crimes. “Temos conseguido êxito com muito trabalho investigativo dos nossos policiais e tem dado bastante resultado. Só o interior já prendeu mais de 1,3 mil pessoas, desde o dia 1º de janeiro”, complementou o delegado José Humberto.