A polícia do município de Parauapebas ainda não tem pista que possa levar ao paradeiro os dois homens desconhecidos, que na noite de ontem executaram a tiros João Inácio da Silva, de 71 anos de idade, natural de Campo Maior (PI), presidente da Cooperativa Agrícola e habitacional Montes Belos, localizada no bairro Vila Rica, Parauapebas.

O crime aconteceu por volta das 18h30 de segunda-feira (6), quando a vítima conversa descontraidamente com alguns amigos na calçada do 331, em frente a casa dele e sede da cooperativa, localizada na rua Frankfurt, Parauapebas.

>

Informações dão conta que a vitima se encontrava sentada do outro lado da rua, no entanto em frente ao seu imóvel quando chegou ao local dois desconhecidos em uma moto de cor e modelo não anotados que ao parar próximo de Joãozinho, como era conhecido, o garupa sacou da arma supostamente um revólver calibre 38 e atirou várias vezes contra o sindicalista, que morreu na hora.

Informada do acontecimento pelo Centro de Controle Operacional (CCO) a viatura da área se dirigiu ao local para verificação o fato, chegando ao local encontraram João Inácio caído ao chão já sem vida. As informações repassadas para a polícia dão conta que João Inácio da Silva era presidente da Cooperativa Agrícola e Habitacional (Montes Belos). Os tiros atingiram costas e cabeça levando a morte de João Inácio instantaneamente ainda no local.

Após a execução, os autores do crime deixaram o local tomando rumo desconhecido. A polícia ficou de solicitar imagens das câmeras de segurança do prédio para tenta identificar os criminosos. Depois dos levantamentos realizados pelos investigadores de Polícia Civil da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, o corpo do sindicalista foi liberado e removido pelos técnico de remoção do Instituto Médico Legal (IML), para ser submetido a exames de necropsia no Centro de Perícia Científica Renato Chaves local.

A polícia busca informações elucidar o crime. A família do sindicalista relatou à polícia que não tem suspeita, uma vez que Joãozinho não tinha envolvimento com invasão de terras, que ele buscava junto ao INCRA áreas para trabalhar com agricultura familiar.

Caso alguém tenha informações que possam auxiliar a polícia elucidar a morte do sindicalista denuncie ao disk denuncia 181 ou (94) 3312-3350, sua denúncia será mantida no mais absoluto sigilo e sua identidade preservada.

(Neide Folha)

Publicidade