A Polícia Civil de Parauapebas, tem mais um crime macabro de homicídio para elucidar na Cidade. Desta vez, a vítima é um jovem de 27 anos de idade, morto dentro do porta malas de seu próprio carro.

Na manhã de domingo (10), mais precisamente por volta das 11h, a polícia recebeu informações de que havia um corpo dentro do porta molas do veículo Chevrolet classic, cor prata, placa QEG 0252, Parauapebas (PA), vindo da capital Belém do Pará. O veículo era conduzido por Rafael Wilker Silva, 25 anos de idade, amigo da vítima José Alan Macedo do Amaral de 28.

Uma morte cercada de mistério. Informações repassadas para polícia dão conta que a vítima, que era residente em Parauapebas, tinha ido para Belém na quinta-feira (7) na companhia de Rafael Wilker.

Para a polícia, o mesmo contou que quando retornava para Parauapebas, por volta das 02 horas da madrugada, Alan teria recebido uma mensagem em seu celular para que retornasse até uma chácara.

Rafael Wilker disse ainda que em um determinado local o veículo que ele e Alan estavam foi interceptado por sete indivíduos armados, que obrigaram o carro a parar e fizeram Alan sair. Depois de amarrarem e o agredirem, ordenaram que o mesmo entrasse no porta mala. Feito isso, os bandidos dispararam contra ele, que morreu instantaneamente no local.

Ainda segundo a versão de Rafael Wilker, após assistir a execução do amigo, os assassinos o obrigaram a dirigir o veículo com o corpo até a cidade de Parauapebas.

De acordo com o pai da vítima, era por volta das 11h40 quando recebeu uma ligação da namorada de seu filho, que pedia que ele fosse à sua residência. Ao chegar no local, o homem foi informado do ocorrido.

A reportagem tentou gravar com o pai da vítima e também com Rafael Wilker, entretanto os dois não quiseram falar sobre o ocorrido. Após ter sido ouvido em depoimento, Rafael foi liberado. Vários questionamentos estão sendo feitos nas redes sociais, um deles é que se o crime aconteceu mesmo em Belém por volta das 2h da manhã, como Rafael conseguiu realizar o trajeto em apenas nove horas?

Já que o crime aconteceu em Belém e não tinha nenhum dos bandidos no interior do veículo apontando uma arma para a cabeça dele, por que o mesmo não encostou na delegacia mais próxima?

Motoristas que costumam viajar para Belém afirmaram que nem o veículo mais econômico faria o percurso em tão pouco tempo e nem apenas com um tanque de combustível.

Já Rafael Wilker disse não ter parado nem para abastecer, o que levanta a hipótese de que as informações não batem.

(Neide Folha)

Publicidade