Por que as salamandras são dos poucos animais vertebrados a regenerar braços e pernas? Mistério há muito tempo, a resposta para essa pergunta se encaminha para uma solução com as descobertas da pesquisa “Origem evolutiva profunda da regeneração de membros e barbatanas”. O estudo abre potenciais caminhos para a ativação do programa genético de regeneração de braços e pernas em mamíferos e, consequentemente, em seres humanos.

A pesquisa buscou compreender o programa genético que confere a algumas espécies de peixes e anfíbios a capacidade de regenerar pernas e nadadeiras, e descobriu um grupo de genes que dá início a esse processo. A descoberta foi possível após a análise de todos os genes de salamandras para identificar quais regulam a regeneração. O estudo foi realizado com a colaboração do Instituto Tecnológico Vale (ITV) com sede no Pará pelos pesquisadores Guilherme Oliveira, Éder Pires e a bolsista Jamilly Souza.

Publicada na revista Proceedings of the National Academy of the United States of America, a pesquisa foi coordenada por pesquisadores do Laboratório de Evolução e Desenvolvimento da Universidade Federal do Pará e teve a participação de cientistas do Museu Paraense Emilio Goeldi, do Museu de História Natural de Berlin (Alemanha), da Michigan State University (EUA) e da James Madison University (EUA).

Sobre o ITV

Fundado em 2009 pela Vale, o Instituto Tecnológico Vale tem o objetivo de buscar soluções inovadoras de médio e longo prazos, que possam melhorar o desempenho operacional da empresa em todas suas etapas, desde a mina até a entrega final do produto ao cliente. Alicerçado nas vertentes de pesquisa, ensino e pós-graduação, o ITV contempla o ciclo da produção científica, sua aplicação prática e a geração de benefícios concretos para a sociedade.

Atualmente, o ITV mantém duas unidades: uma em Belém (PA), especializada em questões relacionadas ao desenvolvimento sustentável, e outra em Ouro Preto (MG), voltada a temas ligados à mineração.