Mulher ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e chegou sem vida ao hospital

Uma mulher de 31 anos foi assassinada a tiros no interior da residência que morava no bairro Tropical II, em Parauapebas, na noite desta quinta-feira (26) . A vítima foi identificada como Taiana de Kassy Mendes da Silva e estava grávida de seis meses. O crime chocou os moradores do bairro.

>

Taiana chegou a ser socorrida e levada ao Hospital Geral de Parauapebas (HGP), mas acabou não resistindo aos ferimentos e morreu minutos depois de dar entrada na unidade. Os médicos ainda tentaram salvar a criança, através do procedimento cirúrgico cesárea, mas, infelizmente, o bebê, uma menina, também veio a óbito. A bala atingiu a criança na cabeça.

O Departamento de Homicídios da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil investiga o caso e tenta localizar o assassino. Nesta sexta-feira (27), o delegado Dufrae Abade Paiva, responsável pela apuração do caso, ouviu o depoimento de testemunhas e familiares da vítima. Um dos depoimentos foi do atual companheiro de Taiana.

Em depoimento, Fernando Linhares Aguiar, de 20 anos, conhecido por “Loirinho”, relatou à polícia que acredita que o crime foi cometido pelo ex namorado de sua companheira e pelo irmão dele; ele os teria reconhecido pelas roupas, apesar de os dois estarem usando capacetes no momento do ocorrido. Ele relatou ainda que tinha um histórico de desentendimentos com o ex.

Segundo Fernando, ele chegou a ouvir boatos de que ‘eles’, se referindo às pessoas de quem suspeita, não gostavam dele. “O irmão de um desses caras era namorado da minha mulher e eu acho que foi ele. Eles tinham raiva de nós dois, sempre tiveram raiva”, afirma. Fernando prefere não identificar publicamente as pessoas de quem suspeita.

Fernando estava bastante abalado. O jovem já possui ficha criminal pelo crime de tráfico de drogas e relatou que, meses atrás, no início da gravidez da mulher, ele foi preso de posse de uma pequena quantidade de entorpecentes. Após o ocorrido, no entanto, ele afirmou que decidiu mudar de vida e que abandonou o mundo do crime, começando a trabalhar em uma atividade lícita para criar o filho e cuidar da família.

“Já estou longe do crime algum tempo, decidi mudar de vida quando a polícia me prendeu pela última vez, quando a polícia me pegou e falou ‘vou te dar uma chance, Loirinho’ porque eu falei que minha mulher estava grávida e eles disseram ‘tu é um cara novo, trabalha’ e eu prometi que não ia mexer mais com droga, que ia querer criar meu filho”, explicou Fernando.

De acordo com o atual marido da vítima, há algumas semanas dois homens invadiram a casa da sogra, onde o casal vivia, e roubaram o aparelho celular e uma televisão. “Minha sogra é evangélica, estava lá preparando um bolinho e um pudim e só escutou eles chegando e perguntando onde estava a droga e onde estava o Loirinho. Ela disse que eu não mexo mais com isso, que nem a roupa do Natal eu comprei porque estava sem dinheiro”. E desde então, segundo ele, o casal passou a receber ameaças através do aparelho celular levado pelos criminosos da casa da sogra.

A polícia trabalha agora para elucidar o caso e prender os autores do crime que vitimou mãe e filha. O corpo da mãe e o feto foram removidos pelo Instituto Médico Legal (IML) de Parauapebas e passam por exame de necropsia.

(Neide Folha)

Publicidade