Sem se importar com o frio, com o calor ou com olhares e julgamentos alheios, um homem – um ainda ilustre desconhecido de todos – se ajoelha e ora todos os dias no centro de Canaã dos Carajás.

Sempre nas primeiras horas da manhã, quem passa pelas rotárias localizadas próximas à Escrimat e ao Settran, vê o exemplo de fé. Os joelhos no chão, os braços abertos clamam por algo que não se sabe, mas que se pode imaginar: sem sombra de dúvidas, o homem clama por um mundo melhor.

A reportagem não conseguiu falar com o homem, mas fica aqui registrada a admiração e o respeito por alguém que, apesar de todas as dificuldades, não esquece de agradecer e pedir aos céus dias melhores.

Publicidade