Darci Lermen avisou que não vai mais tolerar ‘corpo mole’ de servidores e pediu que o secretário mandasse embora quem não colaborasse com a saúde municipal. Servidores ficaram indignados e afirmaram que ‘não temos culpa dos problemas da saúde em Parauapebas’.

A rica e problemática saúde de Parauapebas vive mais um lastimável capítulo nesta semana. Tudo por conta de uma uma infeliz declaração do prefeito Darci Lermen que, praticamente, culpou os servidores públicos municipais pelo mau desempenho da pasta no município. A fala aconteceu quando o prefeito empossava o novo titular da saúde, Gilberto Laranjeiras, nesta quarta-feira (22).

Darci falou. “Nós precisamos de comprometimento dos servidores da saúde. Tem gente que está puxando a saúde para trás. Secretário, quem fizer corpo mole, pode mandar embora! Quem fizer corpo mole não vai ficar na saúde!”

A fala do prefeito revoltou os servidores que, indignados, retrucaram. “Nós não temos culpa dos problemas da saúde. A esmagadora maioria dos servidores aqui é competente e muito dedicada na tarefa de atender ao povo. Os que estão lá não estão por indicação política, mas sim por qualificação; nós trabalhamos com vida e exigimos respeito do gestor. Há pessoas ruins em todo o lugar, mas generalizar é algo desleal demais.”

Alguns sindicatos que defendem a classe emitiram nota de repúdio ainda nesta quarta. Confira:

O SINSEPPAR (Sindicato dos Servidores Públicos), SENPA (Enfermeiros), AEP (enfermagem) e AACOSAP (ACS’s), entidades de representação dos trabalhadores da saúde de Parauapebas, vem a público repudiar o pronunciamento do Prefeito Darci Lermen, em seu gabinete, durante o evento de posse do novo secretário de saúde, o qual fez a seguinte declaração: “(…) precisamos sim do comprometimento dos servidores da saúde, não podemos admitir que na saúde tenha gente que puxa pra trás, e quem fizer corpo mole meu secretário! Pode tirar, pode cortar e pode glosar, quem fizer corpo mole não vai ficar na saúde (…)”. Em seu pronunciamento o prefeito tenta responsabilizar o servidor pelo caos da saúde em Parauapebas.

Ressaltamos que a ordem dada pelo prefeito, ao atual secretário de saúde para “tirar, cortar ou glosar” servidores, se dá de forma autoritária, parcial e unilateral, afinal de contas, os servidores não são empregados do prefeito e muito menos de secretário, os servidores são empregados do povo, além disso, são regidos pelo seu Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos, o qual estabelece os direitos e deveres.

Os servidores da saúde receberam com profunda indignação o pronunciamento do prefeito Darci, pois ao invés do mesmo atacar os trabalhadores, deveria fazer uma auto reflexão de sua gestão na saúde e responder as seguintes dúvidas dos servidores e da população de Parauapebas:

1 – Por que falta medicamentos e insumos nas Unidades de Saúde, Pronto Socorro, UPA e Hospital?

2 – Por que as ambulâncias são precárias e insuficientes?

3 – Por que os contratos e licitações são MILIONÁRIAS e nunca atendem a necessidade da nossa população?

4 – Por que as condições do HGP, que custou uma fortuna para ser construído, são precárias e está literalmente se desmanchando e desabando na cabeça dos nossos usuários e servidores?

5 – Por que há insuficiência de servidores para atender de forma adequada e digna a nossa população?

6 – Por que os servidores do HGP, PRONTO SOCORRO E UPA são submetidos a sobrecarga de trabalho para que os serviços de saúde não parem?

7 – Por que não é feita coleta laboratorial nas unidades de saúde?

8 – Por que não é realizado exames de PCCU para prevenir o câncer de colo de útero?

9 – Por que o município paga valores absurdos de aluguel pelos imóveis onde funcionam a SEMSA e a Unidade de Saúde do Rio Verde?

10 – Por que a SEMSA perdeu recursos federais que custeavam inúmeros programas do SUS no município?

11 – Por que os insumos e materiais de limpeza das unidades de saúde são bancadas pelos próprios servidores?

12 – Por que falta medicamentos básicos para os pacientes do CAPS?

13 – Por que a prestação de contas do primeiro e segundo quadrimestre de 2017 foram reprovadas pelo Conselho de Saúde?

14 – Por que não temos médicos na UBSs da Zona Rural e falta médicos nas estratégias de saúde da família?

15 – Qual o interesse do prefeito Darci em terceirizar os serviços de saúde?

O caos na saúde pública no município não é de responsabilidade dos nossos servidores, mas sim de gestores sem compromisso, que vem e vão a cada eleição que passa e a situação da saúde continua a mesma. As eleições passam, e junto com elas alguns políticos também, mas nós servidores permaneceremos NA LUTA E NA RESISTÊNCIA sempre em defesa de um SUS digno para todos.

A saúde em frangalhos

Em levantamento feito pelo Instituto Trata Brasil, foi constatado que Parauapebas teve, em 2019, o maior número de internações por falta de saneamento básico desde 2012. O município, que é o segundo mais rico do Pará, padece com a quantidade lastimável de esgoto a céu aberto e isso tem trazido doenças cada vez mais terríveis para a população.

Incapaz de investir no que realmente importa e cuidar dos verdadeiros problemas da saúde pública, Darci busca encontrar culpados para justificar sua própria incompetência.

Com tantos problemas evidentes, será que os culpados são mesmo os servidores?

Publicidade