Atuando por dois anos como secretário de Desenvolvimento e Produção Rural, Léo Ferreira fala sobre seu legado e afirma que quer fazer muito mais por Canaã, terra em que vive há 25 anos

O agronegócio está em boas mãos na cidade de Canaã dos Carajás. Há dois anos como secretário de Desenvolvimento e Produção Rural, Léo Ferreira sai do cargo deixando um legado de trabalho e crescimento exponencial do setor rural no município. Apoiando firmemente o homem do campo, Léo Ferreira de Castro mostrou força defendendo uma de suas principais bandeiras: o desenvolvimento agrícola.

Nascido em Porangatu – Goiás, Léo tem 49 anos, 25 destes morando em Canaã. Já ocupou diversos cargos públicos, como secretário de Obras, de Desenvolvimento Social e Produção Rural, além de já ter sido assessor parlamentar na Câmara Municipal. Atualmente no MDB, Léo deixou o cargo público para iniciar a sua pré-campanha como vereador em Canaã.

Questionado sobre o seu principal sonho, Léo Ferreira falou. “Meu sonho, como canaense, é desenvolver projetos que possam dar condição do produtor ser autossustentável em sua propriedade.”

Como principal legado na Sempru, o gestor afirmou que conseguiu executar vários projetos que beneficiaram os produtores locais. Em dois anos, mais de 1100 famílias foram atendidas pelo Procampo em diversas áreas, o que mudou a vida de muita gente, levando a agricultura local a outro patamar. Outro número expressivo da gestão de Léo são os mais de 7 milhões de metros quadrados de terra mecanizada.

Levando no coração a certeza de que a terra que chegou há tantos anos será um lugar ainda melhor para se viver, o gestor observa que muita mudou nos últimos 10 anos. “Tem muita diferença nesse período, principalmente na geração de emprego, renda e infraestrutura em geral. Conseguimos avançar muito.”

Léo Ferreira destacou que pretende atuar no legislativo de modo a fortalecer o Procampo e a iniciativa rural. “A agricultura será uma grande alternativa de sobrevivência em Canaã dos Carajás. Temos, em nosso município, a maior província minerária do mundo, mas a agricultura será um meio de beneficiar aqueles que não tiveram a oportunidade de ingressar nos empregos disponibilizados através da mineração” finalizou.

Publicidade