Áudio fake foi enviado em vários grupos de Whatsapp e indicava que um dos bandidos responsáveis pela morte de Edna Diniz Torres havia sido preso. Gravação também informava que o crime fora um acerto de contas

A Polícia Civil desmentiu, nesta quarta-feira (19), um áudio que circulava nas redes sociais de Canaã dos Carajás e região. A gravação, feita na voz de uma mulher, informava a todos que o assassino de Edna Diniz Torres, morta na última sexta-feira (14), havia sido preso na empresa em que trabalhava . O repórter Jamerson Santos, da Record TV, foi o responsável por apurar a informação junto à PC. “Acabei de conversar com o superintendente regional de Polícia, Dr Thiago Carneiro, e ele me comunicou que essa informação não procede. Somente a título de informação” publicou Jamerson.

A gravação dizia que o suposto criminoso, ao se ver encurralado pela Polícia, levantou as mãos e informou que só estava pilotando a moto a mando do comparsa. De acordo com áudio, a morte da gestante se tratava de um acerto de contas, motivado por uma demissão feita pela vítima. Então, possesso pelo ódio, o homem teria armado o acontecimento e disparado contra o carro para matar Edna.

>

Tudo, no entanto, conforme explicou a PC, não passa de informação falsa. As investigações continuam e a maior parte das informações segue em sigilo.

Edna Diniz Torres foi assassinada com um tiro na cabeça após uma suposta tentativa de assalto. Grávida de nove meses e já em trabalho de parto, a mulher ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. O bebê veio ao mundo, mesmo com a mãe morta, foi transferido para Belém, mas também não resistiu e veio a óbito cerca de 20 horas depois do nascimento.

Publicidade