Um jovem de 21 anos, identificado como Antônio Wesley Silva Pereira, natural de Campo Maior (PI), foi assassinado com cinco tiros na cabeça e abdômen nesta quinta-feira (30) por volta das 17h em Parauapebas. Os tiros foram efetuados por um indivíduo que se aproximou da vítima a chamando pelo apelido. O crime aconteceu na área da caixa d’água da Saaep, localizada no Morro do Macaco entre os bairros Rio Verde e Bela Vista.

Segundo informações, após o crime, que foi testemunhado por vários jovens que também se encontravam no local, a guarnição da Polícia Militar da área do bairro Rio Verde, Departamento de Homicídio da Polícia Civil de Parauapebas (DHPP), além da equipe do Instituto Médico Legal (IML), foram acionados via Centro de Controle Operacional (CCO) com a informação de um homicídio ocorrido lá.

A área, embora seja murada, é bastante usada por jovens para o consumo de entorpecentes. Entretanto, informações repassadas para o policia dão conta que Antônio Wesley havia saído de sua residência na rua Santa Helena, próximo ao local do crime, para empinar pipa como de costume e, quando se encontrava no local, havia chegado um indivíduo perguntando se ele era o ‘Zoim’. O jovem respondeu que sim. Minutos depois, uma dupla de moto chegou ao local, o pelo nome e apelido e em seguida começou e disparar contra a vítima que ainda chegou a correr morro acima, mas foi alcançado pelo assassino e morto.

De acordo com a polícia, Antônio Wesley pode ter sido morto por disputa entre facções, uma vez que o mesmo era faccionado.

Ouvido pela reportagem, Jome Pereira da Silva, pai de Antônio Wesley, disse desconhecer qualquer atitude ou comportamento estranho na conduta de seu filho. “Peço a Deus que ilumine as autoridades de nossa cidade para que venha colocar na cadeia os autores da morte de meu filho. Eu tinha dois filhos, perdi um muito jovem. Meu filho era trabalhador, terminou seus estudos, tinha vários cursos, como mecânica pesada e leve, era habilitado e já tinha assinado os papéis para começar a trabalhar. É muito ruim sair de casa para trabalhar quando sua esposa liga desesperada lhe avisando que seu filho está morto, voltei no meio do caminho por não ter estrutura. Agora entrego nas mãos de Deus, que justiça seja feita” suplicou o pai da vítima.

(Neide Folha)

Publicidade