A Aliança Global de Profissionais Minerais (GMPA) anunciou o lançamento da iniciativa Ação Global sobre Rejeitos, destinada a lidar com os desafios em torno dos resíduos da mina, particularmente  rejeitos .


Rejeitos próximos à cidade de Brumardinho, onde a represa do Vale desmoronou. 
Foto de Jeso Carneiro, Flickr, CC BY-NC 2.0.

O GMPA é uma organização formada pelo Instituto Australasiano de Mineração e Metalurgia; o Instituto Canadense de Mineração, Metalurgia e Petróleo; o Instituto Peruano de Engenheiros Mineradores; o Instituto de Materiais, Minerais e Mineração; o Instituto Sul-Africano de Mineração e Metalurgia e a Sociedade de Mineração, Metalurgia e Exploração.

Durante uma reunião realizada em Denver, Colorado, os membros da Aliança concordaram com a urgência de examinar rejeitos sob a perspectiva de descarte e fechamento, bem como de avançar discussões relacionadas à gestão de rejeitos, rejeitar o reprocessamento / reaproveitamento e, em última análise, avançar para os rejeitos. eliminação.

“Hoje, a gestão de rejeitos é a questão mais urgente que o setor de mineração enfrenta”, disse Janice Zinck, presidente do Instituto Canadense de Mineração, Metalurgia e Petróleo, em comunicado à imprensa. “Coletivamente, o GMPA tem milhares de especialistas em todos os aspectos de mineração e moagem relacionados à geração, reprocessamento e gerenciamento de rejeitos, tornando seus membros bem preparados para abordar esse tópico complexo a partir de uma perspectiva científica e baseada em fatos.”

De acordo com o GMPA, os envolvidos na iniciativa vão formar grupos de trabalho para abordar os diferentes tópicos em questão. Algumas das unidades se concentrarão na coleta de dados, outras na disseminação das melhores práticas existentes e outras na coleta de estudos de caso e pesquisa. Cada trabalho será documentado no site da Ação Global do GMPA sobre Rejeitos.

“Esta importante iniciativa nos ajudará a aplicar expertise e conhecimento para enfrentar esse desafio significativo”, disse Serena Best, presidente do Instituto de Materiais, Minerais e Mineração, conhecido como IOM3. “Os membros da IOM3 têm experiência significativa nessas questões e o próprio Instituto possui uma imensa quantidade de material de pesquisa de todo o mundo em todos os aspectos da gestão de rejeitos”, acrescentou.

Todas as organizações envolvidas na iniciativa disseram que estabelecerão equipes de rejeitos.

Empresas de mineração, grupos profissionais, organizações industriais e acadêmicos expressaram interesse renovado na gestão de rejeitos após o desastre ocorrido no final de janeiro na operação Vale do Córrego do Feijão, onde uma barragem de rejeitos desmoronou, matando mais de 300 pessoas.

fonte: www.mining.com

Publicidade